25
Abr 19

Diário de Coimbra 24 Abril 2019

Associação Portuguesa Para A Defesa do Consumidor – DECO Centro

Rastreios Médicos? Só Nas Unidades De Saúde …

É um clássico os pedidos de ajuda dos consumidores seniores que são vítimas de práticas comercias desleais.

Consumidores idosos chegam frequentemente ao nosso Gabinete de Apoio ao Consumidor, reclamando que foram enganados por uma determinada empresa que lhes vendeu um produto de valor elevado e que fizeram um contrato de crédito para o efeito.

A abordagem por parte das empresas é sempre a mesma. Tudo começa por uma chamada telefónica ao consumidor, convidando-o para um alegado rastreio médico.

Chegado ao dia e hora marcado, o consumidor desloca-se ao local indicado ao fim de efetuar o referido rastreio. Após resposta a um breve questionário, é feita uma apresentação de um conjunto de produtos alegadamente benéficos aos problemas de saúde relatados pelo consumidor.

Todo a conversa com o consumidor é feita por comercias devidamente instruídos e com recurso a técnicas persuasivas.

Como argumentos de venda destacam-se:

  • O preço do equipamento compensa os benefícios para a saúde.
  • Em caso de insatisfação com o produto, o negócio pode ser anulado a qualquer momento, e para tal basta ligar para um determinado número.
  • Pode pagar em pequenas mensalidades.

Note-se que neste tipo de vendas, os consumidores acabam, muitas vezes, por assinar contratos de crédito, sem que estão a assinar, dado as empresas não disponibilizarem cópia do mesmo violando a lei.

Perante esta realidade a DECO aconselha:

  • Desconfie sempre dos contactos telefónicos para realização de rastreios, pois estes apenas são feitos por profissionais da saúde, junto das respetivas instituições.
  • Caso se desloque ao local indicado e esteja interessado na aquisição de algum produto leia todos os documentos antes de assinar.
  • Fique com cópia de toda a documentação.
  • Caso mude de ideias poderá sempre cancelar o contrato no prazo de 14 dias a contar da data da recepção do produto, enviando carta registada com aviso de recepção à sede da empresa, sem necessidade de dar qualquer justificação.
  • Se sentir foi coagido a assinar o contrato, saiba que tem um ano para anular o mesmo.

Em caso de dúvidas ou conflito, não hesite em contactar:  Associação Portuguesa Para A Defesa do Consumidor – DECO Centro

para mais: Diário de Coimbra 24 Abril 2019 - Opinão:  edição em papel


19
Abr 19

A lua cheia desta noite é rosa e em maio há uma azul. Mas ambas podem ser laranja

Os nomes que são dados às diferentes luas não têm nada a ver com as cores com que vão surgir no céu.

 

publicado por energyhealing às 14:19

Páscoa...

Pascoa.jpeg


É ser capaz de mudar,
É partilhar a vida na esperança,
É lutar para vencer toda sorte de sofrimento.
É ajudar mais gente a ser gente,
É viver em constante libertação,
É crer na vida que vence a morte.
É dizer sim ao amor e à vida,

 

É investir na fraternidade,
É lutar por um mundo melhor,
É vivenciar a solidariedade.
É renascimento, é recomeço,
É uma nova chance para melhorarmos

 

as coisas que não gostamos em nós,
Para sermos mais felizes por conhecermos
a nós mesmos mais um pouquinho.
É vermos que hoje
   —->     somos melhores do que fomos ontem.
 
 
Uma Feliz Páscoa, cheia de paz, amor e muita saúde!
 
 

 

 

publicado por energyhealing às 10:10

01
Abr 19

 

Açucar.jpeg

Ingerimos muito mais açúcar do que precisamos e o hábito começa logo no primeiro ano de vida. Mas o que é doce pode vir a “amargar”, e muito, a nossa saúde.

Começa logo com o primeiro leite de vaca – publicitados como tendo inúmeras propriedades benéficas -, seguem-se as papas infantis, os cereais, as bolachas, os iogurtes, as barritas e os snacks, embrulhados com desenhos coloridos e apelativos. Não só sabem bem como vão habituando as pupilas gustativas a um nível de doçura que depois custa contrariar. Da infância à juventude e idade adulto, ingerimos, por regra, mais açúcar do que aquele que preciso para o nosso organismo funcionar, com riscos graves para a nosso saúde. Obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares são algumas das doenças associadas a um consumo excessivo de açúcar e surgem em faixas etárias cada vez mais jovens.

“Infelizmente, muitos dos produtos alimentares vocacionados para as crianças têm um valor excessivo de açúcar. Bolachas “normais” podem ter um teor de açúcar de 15 gramas por 100 de produto, enquanto bolachas infantis , produzidas pela mesma empresa mas em embalagem dirigida a crianças , chegam a ter 20 gramas de açúcar por cad 100 de produto,” diz Elsa Feliciano, nutricionista do Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Centro.

Com os iogurtes – entendidos como alimento bastante saudável – também é preciso ter cuidado. “Há excelentes iogurtes, mas é preciso escolhe-los. É difícil encontrar algum iogurte infantil que tenha na embalagem menos de 20 gramas de açúcar (equivalente a quatro pacotes de açúcar para café), quando o ideal seria cinco seis gramas” repara a nutricionista.

À pessoa que habitualmente faz as compras para casa, a nutricionista deixa uma dica escolher: uma gama de produtos em cada deslocação ao supermercado e, comparando os valores nos rótulos, eleger or produto menos doce, mas saudável e melhor para si; dos iogurtes aos cereais, bolachas, sumos e por aí for a. A especialista da ARSC lembra que há açúcar “escondido” em diversos produtos – alguns menos óbvios como por exemplo um bacalhau com natas pré-confeccionado – que ele pode ter vários nomes: açúcar invertido, glicose, frutose, maltodextrose, melaço, etc.

Elsa Feliciano não só frisa que “o açúcar cria dependência” como explica que “o nosso organismo não está preparado para utilizar o açúcar nas quantidades em que o consumimos”. “Um adulto tem, em média, o equivalente a cinco gramas de açúcar a circular no seu sangue e o normal numa criança são 2,8 de 3 gramas. Imagine-se o impacto que tem o consumo de um refrigerante ou de um bolo que podem conter 40 gramas de açúcar”, refere. Se o fizermos pontualmente – nos tais “dias de festa” – o organismo encarrega-se de digerir; mas se formos somando doces ao longo do dia, e todos os dias … há graves riscos para a saúde.

A nutricionista alerta para outro efeito perverso: “o consumo recorrente destes alimentos açucarados substitui o de alimentos que seriam muito mais importantes do ponto de vista nutricional, nas crianças e em qualquer faixa etária”. É o caso do pão, da fruta ou mesmo do leite, que tradicionalmente compunham a lancheira das crianças.

Ilídia Duarte, coordenadora do Programa de Alimentação Saudável da ARSC, lembra que o excesso de açúcar/calorias alia-se hoje perigosamente ao sedentarismo e que problemas de excesso de peso, obesidade e até diabetes tipo 2 começam a surgir em faixas etárias cada vez mais jovens.

Promover uma maior literacia da população relativamente à escolha dos produtos e leitura dos rótulos, educar e promover hábitos saudáveis junto das crianças e trabalhar com a indústria alimentar no sentido de uma redução dos teores de açúcar e da melhoria da rotulagem são áreas que, de acordo com Ilídia Duarte, médica de Saúde Pública quer o Ministério da Saúde, quer a Direcção-Geral de Saúde tem vindo a desenvolver nos últimos anos.

Source: Diário de Coimbra • 26-03-2016

publicado por energyhealing às 11:36

Foral.jpg

 

Os 825 anos do Foral de Maiorca comemoram-se em abril no seu centro histórico

A Junta de Freguesia de Maiorca vai assinalar, de 24 a 28 de abril, os 825 anos da atribuição da Carta de Foral pela Rainha D. Dulce (esposa do Rei D Sancho I) a Maiorca, em 1194. O evento terá lugar no Terreiro do Paço no centro histórico de Maiorca. 
A apresentação Pública do evento “Foral 1194 – Feira de Ofícios Rústicos, Artes e Lendas” realizou se na passada 6ª feira dia 8 de março no Parque de Merendas da vila, onde foi feita uma representação teatral denominada “Atribuição do Foral de Maiorca” pelo grupo “Viv`Arte“ que dramatizou momentos históricos emblemáticos conducentes à atribuição do foral outorgado pelo prior do mosteiro do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, apresentado o programa das comemorações e inauguradas duas placas comemorativas dos '825 Anos de Foral de Maiorca' de autoria de António Varela Alves, que foi seguido de um lanche tradicional de Maiorca. 
Na cerimónia de apresentação deste evento fizeram intervenções o presidente da Junta de Freguesia de Maiorca Rui Ferreira, o presidente da Assembleia de Freguesia José Carvão, a representante do Instituto de Emprego e Formação Profissional da Figueira da Foz, o presidente da Assembleia Municipal da Figueira da Foz José Duarte, o vice-presidente da CMFF Carlos Monteiro, e o deputado da Assembleia da Republica ,João Gouveia. 
Iniciativas deste evento:
Feira de Artes, com destaque para o artesanato local, regional e nacional; Oficinas de diversos trabalhos e ofícios com a apresentação ao vivo de trabalhos manuais; Feira de Velharias com comércio de antiguidades; Visitas guiadas ao património local; Realização de caminhadas e passeios pedestres com a “Rota dos Arrozais” e “À Descoberta do Foral”; Degustação & Gastromania local organizado pelas Associações da Freguesia de Maiorca onde se darão a conhecer os pratos típicos regionais; Apresentação da candidatura à certificação do “Arroz Doce de Maiorca”; Exposição fotográfica de José Guerra com a designação “Maiorca, Ontem e Hoje”; Festival “Folk na Boiça”; Festival de Folclore do Rancho Infantil de Maiorca; Apresentação do livro “Pedaços de Maiorca Bela” de autoria de Maria José Sousa; Homenagem a maiorquenses indicados pelas associações. 
 
 
 
publicado por energyhealing às 11:23

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30


subscrever feeds
Casa Nossa Senhora Do Rosário, Irmãs Doroteias
85 anos das Irmãs Doroteias na Figueira da Foz Quer saber mais? https://www.facebook.com/Cnsr-Figueira-da-Foz-1650785905142268/
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO