19
Jan 19

image.jpg

A Lua vai estar encoberta pela sombra da Terra e aparentemente maior na segunda-feira, dia em que há um eclipse lunar total e uma "superlua", a primeira de três deste ano.

O eclipse começa, na fase parcial, pouco depois das 3.30 (hora de Portugal continental), quando a Lua começa a esconder-se na sombra que a Terra projeta no espaço, e termina às 6.51 horas, quando a Lua fica totalmente destapada.

 

A Lua fica totalmente eclipsada entre as 4.41 e as 5.44 horas, altura em que sai progressivamente da sombra.

Se o céu não estiver nublado, o eclipse pode ser visto praticamente em todo o mundo, com exceção do extremo leste da Ásia, da Austrália e da Nova Zelândia.

O fenómeno de segunda-feira tem a particularidade de ser um eclipse total de uma "superlua", porque a Lua, em fase de Lua cheia, aparenta ser maior (na sua maior aproximação à Terra, a Lua irá parecer 14% maior no céu).

Um eclipse lunar ocorre sempre quando a Terra passa entre a Lua e o Sol e a Lua, em fase cheia, encontra-se no plano orbital da Terra.

Durante o tempo em que fica na sombra da Terra, a Lua não fica às "escuras" e ganha um tom vermelho-acastanhado devido à refração e dispersão da luz do Sol na atmosfera terrestre. É por isso que vulgarmente se chama "Lua de sangue".

Antes de entrar na sombra, a Lua está cerca de uma hora na penumbra, perde brilho e tem um tom cinzento-escuro, cor que volta a adquirir ao sair da sombra e a entrar novamente na penumbra. A Lua regressa à sua tonalidade branca habitual às 07:50, quando sai completamente da penumbra.

Normalmente, uma 'superlua' é 30% mais brilhante do que uma Lua cheia habitual, o que não sucede durante um eclipse, em que perde luminosidade.

Por isso, disse à Lusa o diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), Rui Agostinho, a melhor altura para observá-la é ao fim da tarde de domingo, depois de a Lua nascer, às 17.06. No horizonte, a Lua surgirá igualmente avermelhada (a Lua é iluminada por luz branca que é refletida para a Terra e se torna avermelhada quando dispersa na atmosfera terrestre).

Perto do horizonte, a Lua parecerá ainda maior, mas é ilusão ótica, adverte o OAL.

Em 2019 vai haver mais duas "superluas", em 19 de fevereiro e 21 de março, e um eclipse lunar, mas parcial, em julho. Os fenómenos são observáveis em Portugal.

Há "superluas" e eclipses lunares todos os anos, mas um eclipse total de uma "superlua" só volta a acontecer em 26 de maio de 2021, de acordo com o OAL. Antes do de segunda-feira, houve eclipses totais de "superluas" em 1910, 1928, 1964, 1982 e 2015, conta a agência espacial norte-americana NASA num vídeo de animação.

Na segunda-feira, o Centro Ciência Viva de Constância - Parque de Astronomia vai estar aberto entre as 3 e as 7 horas para uma sessão de observação com telescópio e registo de imagens das diferentes fases do eclipse da Lua.

No céu, pelas 5 horas, com a Lua perto do horizonte, a Oeste, dois planetas irão surgir a Este e poderão ser igualmente observados: Vénus e Júpiter (e as suas quatro principais luas).

Para o caso de não haver condições de visibilidade do céu, o Centro Ciência Viva de Constância propõe um programa alternativo: uma conversa sobre eclipses lunares, às 3.30 horas, e uma sessão de planetário com uma simulação do eclipse, às 4.30 horas. Aos visitantes mais resistentes será oferecido chá e bolos.

O Observatório Astronómico de Santana, na ilha de São Miguel, nos Açores, também vai estar de portas abertas para a observação do eclipse.

ver: https://www.jn.pt/nacional/interior/segunda-feira-pode-ser-visto-o-raro-eclipse-total-de-uma-superlua-10460395.html

publicado por energyhealing às 13:43

Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Casa Nossa Senhora Do Rosário, Irmãs Doroteias
85 anos das Irmãs Doroteias na Figueira da Foz Quer saber mais? https://www.facebook.com/Cnsr-Figueira-da-Foz-1650785905142268/
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO